"Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou! "

Florbela Espanca

segunda-feira, 27 de outubro de 2008


Sob esta infinita abóbada celestial
No azul perfeito, pressinto o teu olhar
Aquele , que, com o amor me despe
Quando é chegada a hora de te amar

O verde dos teus olhos, meu doce amor
Nos ramos dos pinheiros está gravado
Libidez de corpos entrelaçados, sem pudor
Quando se entregam, em desejo compassado

A natureza alberga a tua imensidão
Nela respiro o teu perfume. A minha vida!...
Nesse teu cheiro de aromas celestiais

Alimentando-me a alma e o coração
Fazendo-me sentir a Musa mais querida
Deusa Rainha, habitando entre mortais...

@Margusta
Pinhal da Lagoa de Albufeira
14/09/2008

In " Poemas de amor"




3 comentários:

Clarinda Galante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clarinda Galante disse...

Lindo o teu poema: Que bom pressentirmos que o somos de alguém...Musa!
Adoro a canção do video.Muito bem escolhido. Jinhos mil

Desculpa ter removido o comentário em cima, mas estava cheio de erros...a mania de não reler o que escrevo....jocas

Sophiamar disse...

Um soneto muito bonito, Margusta! Para quando um livro de poesia? Avança!

Mil beijinhos