"Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou! "

Florbela Espanca

sábado, 26 de janeiro de 2008


Vivo em silêncio de areia e água,
entre manhãs de doce maresia e
pores de sol escaldantes

Vivo enfeitada de risos sonoros
nos teus olhos de algas feitos

Beijo os teus lábios de espuma,
subo os degraus da aventura,
e, desço rumo à felicidade...

Corro nas avenidas das tuas veias
Vives no mar dos meus sentidos!...

@Margusta




























Deixo-Vos com André Sardet em Foi Feitiço.
Para escutar p.f. desligar o video acima.
Beijinhos para todos os que passarem aqui!

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Momento


Uma espécie de céu,

Um pedaço de mar,

Uma mão que doeu,

Um dia devagar.

Um Domingo perfeito,

Uma toalha no chão,

Um caminho cansado,

Um traço de avião.



Uma sombra sozinha,

Uma luz inquieta,

Um desvio na rua,

Uma voz de poeta.



Uma garrafa vazia,

Um cinzeiro apagado,

Um Hotel numa esquina,

Um sono acordado.

Um secreto adeus,

Um café a fechar,

Um aviso na porta,

Um bilhete no ar.



Uma praça aberta,

Uma rua perdida,

Uma noite encantada

Para o resto da vida.



Pedes-me um momento,

Agarras as palavras,

Escondes-te no tempo

Porque o tempo tem asas.

Levas a cidade

Solta no cabelo,

Perdes-te comigo

Porque o mundo é um momento.



Uma estrada infinita,

Um anúncio discreto,

Uma curva fechada,

Um poema deserto.

Uma cidade distante,

Um vestido molhado,

Uma chuva divina,

Um desejo apertado.



Uma noite esquecida,

Uma praia qualquer,

Um suspiro escondido

Numa pele de mulher.



Um encontro em segredo,

Uma duna ancorada,

Dois corpos despidos,

Abraçados no nada.

Uma estrela cadente,

Um olhar que se afasta,

Um choro escondido

Quando um beijo não basta.



Um semáforo aberto,

Um adeus para sempre,

Uma ferida que dói,

Não por fora, por dentro.



Pedes-me um momento,

Agarras as palavras,

Escondes-te no tempo

Porque o tempo tem asas.

Levas a cidade

Solta no cabelo,

Perdes-te comigo

Porque o mundo é um momento.


Pedro Abrunhosa

sábado, 12 de janeiro de 2008

Hoje no céu desenharam-se as matizes quentes do teu sorriso e do teu olhar.

Não me cansei de olhar o céu.
Não me cansei de olhar o teu rosto.

O sol começava a desaparecer na linha do horizonte.
O barulho das ondas misturava-se com a melodia que ecoava no meu coração...
Dizia-me que mesmo que não existissem mais nuvens na sala oval do céu, eu saberia reconhecer-te dentro da noite, pela simples e misteriosa verdade do teu ser....
....e que as estrelas iluminariam o roteiro traçado pelas nossas almas!....

@Margusta 11/01/08