"Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou! "

Florbela Espanca

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Poema completo


Vejo-te,
num sonho inquieto.
Na nudez do desejo,
teus braços esperam
por mim.

Diluídas as distancias,
soletro com meus dedos,
teu corpo imagem.
Tecem-se gemidos,
nos lábios acesos!
Amarram-se corpos
indefesos,
no delírio dos amantes...

Vejo-me...
Vejo-te nos meus braços...
Nudez desejo
Sonho inquieto
Corpo imagem
Poema completo!

@Margusta
in " Poemas de Amor" (blog)



Prix Amitié Virtuelle





O meu muito obrigada à minha amiga Kalinka http://kaliynka.blogspot.com/2008_02_01_archive.html por me ter atribuido este prémio( post do dia 06/02/2008).


Um beijinho enorme para ti amiga!...Peço desculpa por não dar seguimento a esta corrente, seguindo as regras...no entanto ofereço-o a todos os meus amigos.

Miminho




Obrigada Estrela do Mar http://clavedelua2.blogspot.com/2008_01_01_archive.html post do dia ( 2008/01/17) pelo miminho!...Obrigada amiga e Muitos Parabéns pelos teus 4 anos de Blogoesfera...Que continues muitos e muitos anos aqui entre nós!...Muitos beijinhos para ti!!!

Mais um prémio

Muito Obrigada Rui http://cantinhodoamigo.blogspot.com/ pelo prémio e pelo carinho!...( post do dia 2008/02/09).
Tens um cafézinho sempre à espera :))
...Perdoem-me por mais uma vez não dar seguimento à "corrente"...Todos os Vossos blogues não me saem da cabeça!...é para todos Vós este prémio.
Beijinhos Rui!

Desculpem-me só agora ter feito estas actualizações...


Apesar de parecer ausente eu continuo sempre por aqui!!!..E não esqueço os amigos, NUNCA!!!


Beijinhos para todos Vós!

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Libertação dos Sentidos

Óleo s/tela 100x60

Libertação dos Sentidos

Secretamente vai ardendo em mim
Uma doce libertação dos sentidos
Desejos mil e sensações sem fim
Ecos de chamas, templos perdidos

Fugaz ou eterna, no corpo se dilui
Nos rumos vencidos do sangue abstracto
Este sonho escrito que nas veias me flui
Como fogo nómada, na lucidez do tacto

Despertam as cores... sons e vertigens
E dessa sede funda, de te, ter por perto
Nasce um sol rubro, que nunca se nega

Do corpo em chagas nas areias virgens
Voam aves livres de horizonte incerto
E o tempo adormece depois da entrega!

@Margusta
2008/02/21

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008


Dias...


Bato as asas,
ao de leve tocam-me os dias;

Sóis anunciados na tela do tempo
Tributos de luz em domínio de sombras,
rasgando os véus das coisas feitas

Antecipação das noites,
anunciando luas frias
Flores por nascer
de aromas desconhecidos
Frutos amadurecidos

Trilhos sinuosos , corredor da vida
Rios de memórias, desenhos trajectórias
de gestos passados
Sonhos, fantasias
Revoltas, alegrias
Dores , encantamento...
Estilhaços!...
Movimento!
Azul e branco
Silêncio...

Cinza pranto
Esquecimento!
Lágrimas e sorrisos
a pairar no
firmamento...

Adivinho o mundo
Cruzo o interminável
Bato as asas... e ao de leve,
toco os dias...


Margusta
2008-02-01




Poema com que participei no passado dia 2 de Fevereiro nas noites de poesia em Vermoim . O tema proposto era " Dias"
Mais uma vez o meu Muito Obrigada à grande poeta Maria Mamede por ter dado a voz ao meu poema.

Deixo-Vos MOONLIGHT SONATA (Beethoven), p.favor desligar o video acima para escutar...Lindoooooooooooooooo!!!

Imagens retiradas da net.